Museu Hergé por Christian de Portzamparc

Museu Hergé por Christian de Portzamparc

623
0
COMPARTILHE
Museu Hergé

Museu Hergé, sua história…

Museu Hergé, sua origem… Ao longo dos anos, a produção artística de Hergé tornou-se um trabalho de distinção. “A force de croire en ses rêves, l’homme en fait une réalité.” (Traduzindo: “Na força de acreditar nos sonhos o homem os transforma em realidade”), disse uma vez Hergé, também conhecido por George Rémy (1907-1983), pai do famoso desenho do repórter Tintin. E foi assim que aconteceu no museu dedicado a ele. Foi oficialmente inaugurada em Louvain-la-Neuve Bélgica , uma aldeia a 25 km de Bruxelas, o Museu Hergé, projetado em 1996, pelo arquiteto francêsChristian de Portzamparc. A idéia de um museu foi pensada desde 1979, enquanto ele ainda estava vivo. O objetivo sempre foi fazer as criações de Hergé conhecidas pelo público em geral.

O anúncio da sua construção foi dado em 10 de Janeiro de 2001 (dia do nascimento de Tintin, em 1929), mas sua construção só começou a 22 de Maio de 2007 (dia do aniversário de Hergé). O museu foi construído em apenas dois anos, e custou 17 milhões de Euros, financiados pela segunda esposa de Hergé, Fanny Rodwell. Para fazer justiça a um projeto desta importância, muito tempo e reflexão foram necessários. A principal tarefa consistia em encontrar o equilíbrio entre as nuances de uma realidade complexa e o status lendário em torno do homem e sua criação.

Museu Hergé

Desde o início do novo milênio, esta organização (agora rebatizada de Studios Hergé), tem trabalhado incansavelmente para identificar e catalogar os elementos mais adequados para a exibição em um museu a Hergé. Os desenhos de Hergé dos anos 20 inspiraram o logotipo do Museu, constituído de uma mistura entre a letra H (inicial Hergé), a forma do Museu, e da cabeça de Tintin estilizada.

O edifício do Museu Hergé tem a forma alongada de um prisma. A fachada branca aumenta a sensação de leveza que emerge de uma área florestal (as árvores dessa região que o cartunista desenhou muitas vezes) e ligado ao resto da cidade por uma ponte.

As enormes janelas laterais lembram as caricaturas no Museu Hergé. Não existem linhas verticais no interior ou no exterior. Quatro paredes de cores brilhantes (amarelo, verde, salmão e pinturas em preto e branco) com desenhos saúdam os visitantes como uma simbólica homenagem às aventuras vividas por Tintin.

Passarelas onduladas e uma cobertura parcialmente de vidro do Museu, que permite a entrada da luz do sol, dão uma sensação de irrealidade para os visitantes nos andares superiores.

Nas oito áreas que estão divididas os 3.800 metros quadrados do Museu Hergé, há três níveis de conhecimento, de iniciante a “tintinòlogo”, admirando fotos, filmes e fotografias da história do artista Belga. Os dois primeiros ambientes contam a história da vida de um homem amante de gatos e que começou a carreira como desenhista Hergé. Depois, há um espaço para seus personagens, um espaço para sua paixão pelo cinema e jornalismo, e alusões a sua vocação visionária de investigação científica e suas pesquisas humanistas. Uma grande área de recepção engloba os quatro volumes das exposições ligados por passarelas suspensas.

Portzamparc usou todas as suas habilidades na construção de projeto do Museu para integrar os princípios do trabalho de Hergé, destacando as características únicas da sua arte,que o levaram a se tornar o fundador e mestre da técnica de linhas claras.

Fontes: 
Musée Hergé
Christian de Portzamparc
Dezeen