Home COLUNAS A Alma Hipster

    A Alma Hipster

    O termo “hip” surge em 1940 para designar os jovens brancos e ricos que gostavam de sair da zona de conforto e apreciar o estilo e a música dos negros do jazz (conhecidos como “hipsters” ou “hip cat”). Hoje conhecemos os hipsters que são, em sua maior parte, de classe média e possuem uma forte negação pela cultura mainstream (cultura dominante), ou seja, possuem seu estilo próprio, inventam moda e buscam tendências já obsoletas.

    Em uma definição simples: ser hipster é pertencer a um grupo de pessoas que não segue as tendências do momento, que cultua e resgata o estilo moderno e vintage, por exemplo. Ser hipster é gostar do simples, do autêntico, do que não é comercial, gostar do que muitos não valorizam mais e acreditam ser ultrapassado.

    Nas roupas vemos muito xadrez, suspensórios, poás, roupas lisas ou com poucos detalhes, boinas e chapéus fedora, tudo de preferência de marcas desconhecidas. Adquirem a maior parte do seus closets nos brechós e feirinhas da vida. Cultuam bons livros e na música, gostam de rock alternativo.

    Com esse breve passeio sobre o universo hipster , você consegue fazer uma conexão e enxergar esse estilo invadindo os lares mais atuais?

    Nos interiores os hipsters anseiam por individualidade, assim como fazem com sua aparência e trouxeram uma mistura entre o visual de estilo loft industrial, o vintage e uma elegância nostálgica chique. Os elementos que compõem essa tendência híbrida têm algo em comum – eles remontam aos bons tempos, quando as coisas eram muito mais descomplicadas.

    É…Temos que agradecê-los, pois sua maneira de consumir nos trouxe facilidades de acesso a itens de decoração de interiores hoje ultra badalados. Vamos elencar algumas maneiras de dar uma pincelada hipster nos seus projetos e torná-los autênticos para os apreciadores dessa onda tão em voga.

    Malas Vintage: são o item de armazenamento hipster do momento. Pode-se empilhá-los uns em cima das outras e posicionar nos cantos dos quartos, cheios de lenços de seda vintage, registros ou fotografias antigas. Os hipsters verdadeiros provavelmente armazenariam comida nelas se pudessem.

    Terrários: Nada mais é do um recipiente de vidro para o cultivo de plantas. Popular na época de Victoria, eles agora estão voltando para decorar aquela mesa de canto sem graça e o criado-mudo, e quanto mais esquisitos, melhor.

    Crochet: ligeiramente mais moderno do que a lã, com todas as referências da boemia dos anos 60, mas com as mesmas qualidades acolhedoras. Vê-se nos interiores na forma de tapetes, colchas, abajures, cortinas e onde mais a criatividade permitir. Lembre-se, aqui vale o “quanto mais inusitado, melhor”.

    Bikes na parede: Até isso veio deles? Pois é! Você não pode ser um hipster que se preze se não tiver uma bicicleta e é justamente essa forma de ativismo que querem deixar a mostra.

    Mesas/estantes de livros: e não é por falta de dinheiro que não compram uma mesa mais “normalzinha”, é justamente para mostrar as numerosas relíquias culturais em forma de livros. Algo como dizer: sou culto e um leitor assíduo de bons livros.

    Efeitos de pintura nas paredes: Apesar de serem de poucas cores nas roupas, nos ambientes gostam de pinturas desiguais e atraentes. Efeitos de pintura zig-zag, ondas e materiais diferentes em uma mesma parede (pedras e tinta, por exemplo) entoam a atmosfera hipster.

    As clássicas swing chairs: ou no bom português, cadeiras de balanço. Elas despontaram em todas as últimas feiras de mobiliário e objetos de decoração e com certeza são objetos de desejo da maior parte da população mais ligada em tendências. As de bambu dão um ar mais hipster, mas hoje existem de diversos materiais. São super confortáveis e podem ser complementadas com almofadas de crochet ou pele de ovelha.

    As clássicas swing chairs: Estilo hipster

    Luminárias/letreiros néon: o hipster está para o neon assim como o neon está para o hipster. E quer algo mais atual que os letreiros brilhantes com frases inspiracionais?

    Tendência forte de decoração e veio diretamente de 1923, quando dois letreiros néon gigantes foram instalados em Los Angeles.

    Carrinhos de bar: como o próprio nome já dá uma pista, são os carros chefe dos hipster, o item de decoração favorito dos hipsters. Basta juntar algumas belas garrafas de bebida alcoólica, adicionar alguns copos chiques uma coqueteleira, um livro de receitas e qualquer acessório adicional relacionado à bebida, e exibir em um carrinho.