Anualmente, a Pantone – autoridade global em comunicação e inspiração de cores desde 1963 – divulga a cor escolhida para representar o ano seguinte.

Como de costume, essa revelação acontece nos primeiros dias de dezembro, aumentando o clima de expectativa para o novo ano que está chegando.

Desde 2017, com o Greenery, as cores escolhidas trazem consigo um maior senso de conexão com a natureza, sugerindo a necessidade de uma reflexão profunda sobre o mundo e também sobre nós mesmos.

Seguindo nessa mesma direção, a definição da Cor do Ano Pantone 2020 foi um azul profundo e requintado: PANTONE 19-4052 Classic Blue.

Na descrição da própria Pantone, o Classic Blue é “Um tom azul atemporal e duradouro, elegante em sua simplicidade. Sugestivo do céu ao entardecer, as qualidades tranquilizadores do Classic Blue oferecem a promessa de proteção; destacando nosso desejo de uma base confiável e estável na qual construir. À medida que cruzamos o limiar para uma nova era, a Pantone traduziu o tom em uma experiência multisensorial para alcançar uma maior diversidade de pessoas e oferecer uma oportunidade para que todos se envolvam com a cor. Estaremos explorando a visão, o som, o olfato, o paladar e as texturas para tornar a Cor do Ano Pantone 2020 uma experiência de cor verdadeiramente imersiva para todos”.

A cor escolhida para reger 2020 nos convida a retornar ao passado, às coisas clássicas, desacelerar e se reestruturar. Mas ao mesmo tempo, o azul representa movimento, como o fundo de uma piscina ou a imensidão do mar.

Quando pensamos nessa cor, é bem provável que venham à nossa memória paisagens naturais, com céu, mar e um infinito azul. Por isso, “blue jeans” é uma expressão que acabou associada à liberdade e autonomia, por consequência da inspiração que o tecido provocou para a cultura americana.

Além de possuir 111 tons diferentes, o azul é a cor favorita de cerca de 45% das pessoas do mundo. Na moda, o azul escuro é considerado quase tão coringa quanto o próprio preto, transmitindo elegância e maturidade.

O azul também é uma cor ambígua, representando vários opostos ao mesmo tempo, podendo ser visto como símbolo de padrão e de personalidade. Apesar de ser uma cor fria e inspirar vários sentimentos mais nublados, como no estilo musical “blues” onde os artistas falam sobre tristezas interiores; e também através da expressão “feeling blue” que significa “estar para baixo”, o azul amplia nosso senso de tempo e aumenta nossa produtividade, sendo um ótimo aliado para melhorar a energia de ambientes.

Muitos artistas possuíam uma paixão pela cor azul. Van Gogh costumava dizer “Eu não me canso da cor azul“; Leonardo da Vinci foi o primeiro a explicar porque o céu é azul; o artista francês Yves Klein pintava quadros totalmente azuis e chegou a patentear o seu azul, que era a cor das possibilidades ilimitadas; Henri Matisse pintava até os tomates de seus quadros na cor azul, e quando lhe perguntaram o porquê ele fazia isso, dizia que lamentava ser o único a ver tomates dessa cor.

Para a arquitetura e o design, essa é uma cor facilmente adaptável. Por ser um tom neutro, é fácil criar combinações harmônicas, independente do estilo utilizado. Está presente nas paletas de cores do estilo Navy, Moderno, Tropical, Boho, Rústico, Americano, e facilmente pode ser inserido nos demais estilos, como Industrial, Minimalista, Escandinavo, Vintage e Clássico.

Na parte das fachadas, é uma cor muito vista em esquadrias. Um exemplo são as várias construções na Grécia que mantém as casas neutras através do branco, enquanto janelas e portas são pintadas no mesmo azul do mar.

Os azulejos portugueses, que seguem a mesma paleta de azul e branco, já são grandes conhecidos na área dos revestimentos para arquitetura, e continuarão sendo utilizados, agora em tons de azul mais escuro para adequar-se à cor do ano.

Para os interiores, mesclar vários azuis com cores quentes e materiais como madeira, ajuda a criar uma harmonia cheia de personalidade aos ambientes. Pintar algumas paredes com esse tom também leva um pouco mais de vida aos ambientes de forma sutil.

Nos móveis, a cor azul já vem sendo explorada de forma bastante satisfatória, podendo fazer parte de todos os ambientes da casa, devido à sua ótima adaptação aos estilos.

Utilizando o Classic Bue de forma mais leve, é possível adicioná-lo em almofadas, roupas de cama, estofados, a fim de criar pontos de cor na decoração.

Na parte de louças é também uma grande aposta, podendo ser inserido em copos, xícaras e pratos, tanto para utilização no dia a dia quanto para decoração.

Como falamos em um de nossos recentes conteúdos, o Design Afetivo trata das sensações transmitidas através dos ambientes, seja pelos móveis, revestimentos ou decoração, a soma de todos esses itens provoca reações nos seres que frequentam esses espaços.

Cada vez mais, o design – e tudo o que ele engloba – se dedicarão a gerar algum sentido além do lado estético, e é visível a preocupação com o lado afetivo do design na descrição feita pela Pantone sobre o Classic Blue, onde mencionam a exploração de todos os sentidos, e não apenas a visão, para criar uma experiência imersiva sobre a cor.

O que você achou da cor escolhida para 2020?